Vice-presidente do Creci chama funcionário de ‘preto, gordo e filho da puta

O primeiro vice-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Mato Grosso (Creci-MT), Claudecir Roque Contreira, é suspeito de cometer racismo contra o funcionário do setor de Tecnologia da Informação do órgão, Augusto César da Silva, de 40 anos, ao chamá-lo, em um áudio – por meio do aplicativo WhatsApp -, de “preto, gordo e filho da puta”.

O caso foi denunciado pelo próprio Augusto, num boletim de ocorrência registrado no último dia 12 de agosto. Ele também move um processo judicial contra Claudecir pelas ofensas.

Em entrevista ao O Bom da Notícia, o funcionário disse que os xingamentos ocorreram há três anos, mas que ele só foi teve acesso ao áudio no início da semana passada, ao fazer uma varredura no servidor de dados de informática do órgão, para buscar documentos do superintendente do conselho, que iria pedir exoneração do cargo.

Durante a busca, Augusto conta que encontrou dois arquivos que citavam seu nome. Um deles era o print de uma conversa no WhatsApp em que Claudecir pedia para que o superintendente o demitisse do cargo de TI. Já o outro arquivo era o áudio com as ofensas.

“Eu nem vou falar com Augusto, vou pedir para você falar, porque eu vou perder a paciência com esse preto, gordo, filha da puta. Porque eu tenho sempre que ficar lembrando, igual o assessor dele, para atualizar as coisas. Dá uma olhada no aplicativo do Creci como está desatualizado. Hoje eu recebi uma lavada de um corretor, falando que nós criamos as coisas, mas a gente não atualiza as informações, então não adianta nada […]”, diz Claudecir (ouça o áudio na íntegra no final da matéria).

O técnico em TI explicou que o primeiro vice-presidente do Creci estava irritado com ele por causa da falta de atualização de um aplicativo de celular, no qual o corretores de imóveis teriam acesso pelo celular à notícias, informações sobre os membros da diretoria, consultas e outros assuntos relacionados ao Creci. A ferramenta foi criada por Augusto em 2016. Na época, Claudecir ainda era diretor-secretário do conselho, sendo que a sua nomeação de vice-presidente se deu neste ano.

A partir disso, segundo Augusto, Claudecir passou a cobrar constantemente a atualização do aplicativo até culminar nas declarações racistas. Lembra que na época estava engajado em outro setor, com outras demandas, e que não estava dando conta de atualizar o aplicativo.

“Ele [Claudecir] disse que recebeu um telefonema de um corretor reclamando que o aplicativo estava defasado[…] e foi quando ele ficou nervoso e mandou essa áudio para o superintendente”, relatou o profissional.

Augusto disse ainda que está muito chateado com a situação e que é contra qualquer tipo de racismo. Ressaltando que também não teme eventuais retaliações no Creci por ter denunciado o caso.

“Já fiz o boletim de ocorrência na polícia e meu advogado entrou com a ação judicial. Não tenho medo de represálias. Até porque a maioria dos diretores do Creci está do meu lado”, ressaltou.

Outro lado

Procurado pela reportagem, Claudecir disse que não iria comentar o assunto e encerrou a ligação logo no começo da entrevista.

“Não meu querido. Se você for falar só sobre esse assunto então não me interessa nem escutar as suas perguntas. Tá bom? Obrigado”, disse ao O Bom da Notícia.

Marcio Camilo – O Bom da Notícia
Ouça o áudio

Deixe seu comentário