Detalhes importantes sobre a Usucapião Extrajudicial

A usucapião é uma forma de aquisição de propriedade pelo decurso do tempo, adquirida com posse mansa, pacífica e com ânimo de dono.

A usucapião extrajudicial é um procedimento que corre perante o Registrador de Imóveis. Foi prevista pioneiramente na lei 11.977/2009, com as modificações da lei 12.424/2011,porém com um procedimento complexo e com diversos requisitos. A novidade do Código de Processo Civil é a participação do Tabelião lavrando a Ata Notarial para o reconhecimento da usucapião. Quanto à competência do Tabelião, segundo a lei 8935/94, é de livre escolha das partes. Porém, deverá ser lavrada, a Ata Notarial, pelo tabelião da Comarca do Imóvel usucapiendo. Isso porque ocorre casos em que terá que se deslocar até o imóvel para tirar fotos, inquirir vizinhos, de modo a possibilitar a constatação da posse. Quanto ao Registro de Imóvel, o procedimento de reconhecimento será processado diretamente perante o Registrador com competência sobre o imóvel.

Assista hoje às 21:30 nosso bate papo com Poliana Ribeiro
CEO da Inteligência Cartorial

A Ata Notarial é um documento público e tem por objetivo constatar uma realidade, um fato, no caso em tela,a situação do bem, a relação de posse, de modo que o tabelião vê, ouve, percebe, verifica. Através desse instrumento, o fato se perpetua juridicamente, pois uma vez constatado,o fato não perece e faz prova.Nesse procedimento é exigida a presença do advogado acompanhando o requerente na lavratura da ata notarial, bem como em todo procedimento. O advogado deve ser contratado pelo requerente e não pode ser indicado pelo Tabelião, e deve estar regularmente inscrito nos quadros da OAB.

O Tabelião colherá as declarações do requerente/possuidor, que deverá ser maior e capaz, declarações de vizinhos e de quem achar necessário, manifestar quanto à forma de aquisição do imóvel, tempo de posse, informações essas que serão transcritas na Ata Notarial, certificando de que exerce a posse mansa, pacífica,pelo período declarado.

Os documentos que comprovam a posse serão apresentados e seu conteúdo também deverá ser mencionado na ata notarial, como exemplo: contrato de venda e compra, quitação, recibos e outros. Deverá ser apresentada as certidões de matricula e negativa de ônus e ações reais e pessoais reipersecutórias, planta e memorial descritivo, assinados por profissional habilitado, com o fim de demonstrara correta localização e descrição do imóvel, possibilitando o registro da usucapião em matricula já existente ou a abertura de uma nova matricula, conforme o caso.

Na planta do imóvel deverá conter a assinatura do titular, daqueles que tem direitos sobre o imóvel da usucapião e dos confrontantes. Se não houver todas as assinaturas o registrador irá notificá-los, para manifestar a ciência e concordância.

O registrador também dará ciência à União, Estado, Distrito Federal e Município para que se manifestem. Promoverá a publicação de editais para ciência de terceiros interessados. Decorrido o prazo de 15 dias da última notificação, com a documentação em ordem e concordância de todos, dar-se-á o devido registro, transmissão do referido imóvel em nome do requerente.Assim, a usucapião extrajudicial é um procedimento célere, seguro, porém, rico em detalhes procedimentais e comprovações fáticas indispensáveis, que caso não sejam observados, implicarão à rejeição do oficial registrador e, portanto, perda de todo tempo investido, e, principalmente, terão uma solução importante nas mãos, frustrada.

Poliana Ribeiro
CEO da Inteligência Cartorial

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta