Com 50 milhões de moradias vazias China teme colapso do setor imobiliário

As “cidades fantasmas” da China – municípios com uma enorme quantidade de moradias vazias – ficaram famosas em todo o mundo. Elas se tornaram até um nicho de mercado para o turismo.

Mas para as autoridades do país são fonte de preocupação: mais de 20% dos imóveis urbanos chineses estão atualmente desocupados, o que representa cerca de 50 milhões de moradias.

É o que mostra a Pesquisa de Financiamento Domiciliar da China, liderada por Gan Li, professor de economia da Universidade A&M do Texas, nos Estados Unidos, que conta com um “exército” de milhares de pesquisadores em todo o país.

A taxa de desocupação revela que a maioria das propriedades vazias foram adquiridas por compradores como investimento, pessoas que já possuem um imóvel.

Li e sua equipe também descobriram que a especulação imobiliária impediu milhões de pessoas de comprar sua casa própria.

Sete das dez cidades mais caras do mundo para comprar imóveis residenciais, considerando o preço das propriedades em relação à renda média, estão na China, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).

“A evidência pode ser traduzida na pouca disposição e capacidade limitada de indivíduos e famílias entrarem no mercado imobiliário”, escreveu Ga Li.

“O preço da habitação está claramente sendo impulsionado pela demanda de investimento, com a maioria das aquisições provenientes de famílias que já possuem propriedade.”

Em edição anterior, a pesquisa mostrou que o percentual de compradores que adquirem imóvel pela primeira vez caiu de 48% no terceiro trimestre de 2013 para 20% no mesmo período um ano depois.

Investidores chineses descobriram no setor imobiliário uma alternativa mais segura para aplicar seu dinheiro em vez do volátil mercado de ações do país.

E muitas famílias estão investindo em imóveis como uma forma de ajudar seus filhos – bens são um elemento importante, por exemplo, em discussões sobre casamento entre as famílias.

Nos últimos anos, os políticos chineses tentaram em vão conter essa tendência – o presidente Xi Jinping vem enfatizando que “as casas são para viver, não para especulação”.

O percentual de chineses que compram seu primeiro imóvel caiu pela metade entre 2013 e 2014 (Foto: Getty Images via BBC News)

Em maio deste ano, legisladores apresentaram uma proposta para a criação de um imposto sobre imóveis como uma das principais prioridades para os próximos cinco anos, reativando um projeto que já enfrentou a oposição de proprietários, especialmente os ricos.

O governo lançou no ano passado um banco de dados nacional de propriedades como parte de um futuro processo de taxação.

O que quer que as autoridades decidam implementar, deve ser feito com muita cautela. Estima-se que cerca de um quinto do Produto Interno Bruto (PIB) da China esteja vinculado ao mercado imobiliário e há temores de uma possível crise.

Um levantamento da consultoria FT Confidential Research mostrou que mais de 20% dos consumidores urbanos que possuem pelo menos uma propriedade desocupada a venderiam caso o imposto entre em vigor.

A pressa para vender poderia fazer os preços caírem rápido demais e causar sérios problemas.

“Entre economistas do governo, estabelecer um imposto sobre propriedade é um consenso há muito, muito tempo”, escreveu Ga Li em artigo publicado no ano passado.

“A preocupação é política. Ninguém quer ser culpado de estourar a bolha imobiliária.”

Fonte: Época Negócios