Conheça os 10 locais mais caros para se viver no mundo

De Paris a Hong Kong, de Mônaco a Nova York, preço médio do metro quadrado em qualquer um desses lugares não sai por menos de R$ 86 mil

Se eles oferecem uma visão estelar, um clima excelente ou uma proximidade com os maiores centros de compras e restaurantes do mundo, o certo é que por anos certas ruas ao redor do mundo atraíram as pessoas mais ricas do planeta. Como parte do estudo Billionaire Census, da consultoria de inteligência de fundos Wealth-X, feito em 2013, foram avaliados os preços da propriedades nas principais cidades mundiais para descobrir quais são os endereços mais caros existentes.

De acordo com a pesquisa, cabe dizer, os maiores bilionários do mundo possuem uma média de US$ 78 milhões (R$ 258 milhões) em propriedades cada um. A lista a seguir feita por Correio da Paraíba mostra não apenas os locais onde vivem – e que são disputados nos leilões de imóveis internacionais – como os preços médios de cada região.

Avenida Montaigne, Paris, França

A avenida de luxo no quarteirão da Champs-Elysées, no centro de Paris, é considerada um dos principais endereços do mundo para a alta costura – e não à toa nomes como Christian Dior, Salvatore Ferragamo e Harry Winston possuem propriedades ali -, mas também abriga uma grande quantidade de ricaços do mundo. O preço médio do metro quadrado ali é de US$ 26 mil (R$ 86 mil). Para se ter uma ideia, o bairro mais caro do Brasil, o Leblon, no Rio de Janeiro, custa R$ 22 mil, segundo o índice FipeZap.

Quinta Avenida, Nova York, Estados Unidos

Quinta Avenida, Nova York, Estados Unidos

A Quinta Avenida, em especial os imóveis cuja vista dá para as ruas 59 e 96, em frente ao Central Park, é um destino clássico de famoso e ricos. É também a região de várias boutiques de luxo, do Empire State Building, do Rockefeller Center e de outras instituições de nível mundial. O preço do metro quadrado em 2013 custava US$ 28 mil (R$ 90 mil) e, pagando esse valor, é possível ser vizinho, por exemplo, do comediante estadunidense Bill Murray e da Trump Tower, um prédio de 58 andares construído nos anos 1980 pelo hoje presidente do país, Donald Trump.

Ostozhenka, Moscou, Rússia

Essa rua no centro de Moscou é o centro da história russa, das lojas de luxo e dos grandes restaurantes. Um apartamento no quinto andar de um prédio antigo da região custava até US$ 48 milhões (R$ 158 milhões) em 2013, quando a Wealth-X fez a pesquisa. Ali vivia – e ainda vive, de certa forma – a oligarquia da Rússia, que agora precisa desembolsar US$ 29 mil (R$ 95 mil) por cada metro de chão.

Romazzino Hill, Sardenha, Itália

O morro de Romazzino e sua vizinhança ao redor é um playground para bilionários desde os anos 1960. Em 2012, o empresário italiano Carlo de Benedetti vendeu sua propriedade, conhecida como Villa Rocky Ram, pelo valor de US$ 148 milhões (R$ 489 milhões). É naquela região que hoje vivem membros da família real do Catar, da Arábia Saudita e da oligarquia russa, como Alexei Mordashov. O preço do metro quadrado no bairro custa US$ 32,9 mil (R$ 109 mil).

Chemin de Ruth, Genebra, Suíça

Conhecida por ser uma da cidades mais caras do mundo, a metrópole suíça também possui uma das avenidas mais luxuosas do planeta: Chemin de Ruth, em Cologny, a 16 minutos de carro do centro. Muitas das mansões ali instaladas têm grandes piscinas, jardins monumentais e vistas esplêndidas para o Lago Genebra e os prédios da ONU – é lá que funciona a sede do Fórum Econômico Mundial. Entre as casas estão moradores como a família Peugeot e o ex-tenista francês Henri Leconte, que fazem com que o preço médio do metro quadrado seja de US$ 37 mil (R$ 122 mil).

Paterson Hill, Cingapura

Paterson Hill é um bairro residencial tranquilo ao lado do centro de compras Orchard Road, em Cingapura, cidade-Estado próxima à Malásia, conhecida por abrigar vários restaurantes premiados pelo selo Michelin e lojas famosas. O brasileiro Eduardo Saverin, que trabalha na Ásia desde que saiu do Facebook, é um dos moradores ilustres da região, cujo preço do metro quadrado é de US$ 42,5 mil (R$ 140 mil).

Boulevard du Général de Gaulle, Cap Ferrat, França

Situada na Costa Azul francesa, às margens do Mediterrâneo, a exclusiva península Cap Ferrat é a localidade não-urbana mais cara do mundo: o metro quadrado ali custa US$ 79 mil (R$ 261 mil). O casal Angelina Jolie e Brad Pitt se casaram em uma propriedade próxima à região, em Correns, em 2014. O negócio foi fechado por US$ 60 milhões (R$ 190 milhões). Ali também viveu o ator Charles Chaplin até sua morte, em 1977.

Avenida Princesa Grace, Mônaco, França

O principado de Mônaco, dentro do território francês, lota de bilionários durante o Grande Prêmio de Fórmula 1 pelas ruas da cidade, a cada maio. No entanto, muitos deles escolheram-na para viver o ano inteiro. A Avenida Princesa Grace é o destino mais caro: percorre toda a extensão do mar repleto de lanchas luxuosas. O Tour Odeon, um grande prédio de apartamentos construído recentemente na avenida, é hoje o imóvel mais caro de Mônaco: vale US$ 86 mil (R$ 284 mil) o metro quadrado. Vivem ali o cantor italiano Andrea Bocelli, o piloto de F1 britânico Lewis Hamilton, o ator estadunidense Roger Moore, o ex-Beatle Ringo Starr e, até 2017, o narrador brasileiro Galvão Bueno. Dizem que em uma das localidades mais famosas da cidade, o Sass Cafe, há até um pedido que leva o nome dele.

Kensington Palace Gardens, Londres, Reino Unido

Apesar dos moradores mais famosos serem o casal real William e Kate, o tranquilo caminho delineado por árvores no centro-oeste de Londres também sedia diversas embaixadas internacionais, como as da França, da Rússia e do Japão. É conhecido por ser a “linha” dos bilionários na capital britânica, e não é à toa: eles precisam desembolsar US$ 107 mil (R$ 353 mil) por cada metro quadrado. Ali vivem, além do duque e da duquesa de Cambridge, o megaempresário russo Roman Abramovich – dono do Chelsea – e o ex-presidente da empresa que gerencia a Fórmula 1, Bernie Ecclestone.

Pollock’s Path, The Peak, Hong Kong

Curiosamente, o bairro mais caro do mundo não ficava na Europa ou nos EUA, mas sim na Ásia, segundo a Wealth-X. Localizado no topo de uma montanha que historicamente é um “céu” para os ricaços de Hong Kong, dali se pode ver perfeitamente o conglomerado de prédios famosos da cidade e o movimentado porto. É em Pollock’s Path que vivem os executivos diretores do banco HSBC, por exemplo. O preço médio do metro quadrado ali custa US$ 120 mil (R$ 396 mil). “O aumento da demanda pelas melhores propriedades nas melhores localizações aconteceu em meio a uma demanda apertada, como limitados e discretos proprietários que se sentem compelidos a vender seus imóveis”, explicou um dos pesquisadores, Liam Bailey, ao jornal South China Morning Post.

Deixe seu comentário