Aumente a liquidez do imóvel no mercado de locação

 Com o mercado de locação em alta e oferta insuficiente de imóveis para alugar, o proprietário que disponibiliza sua propriedade não costuma ter dificuldade para encontrar um inquilino. Mas se mesmo em um momento favorável como esse, o imóvel ainda fica muito tempo vazio, é possível aumentar sua liquidez com alguns investimentos e cuidados.
Um imóvel parado, sem habitação, traz prejuízos ao proprietário. Além de desperdiçar uma renda que pode vir por meio da locação do bem, há gastos com IPTU, taxas condominiais e desgaste pela falta de manutenção. Alexandre Arruda, gerente de locações da Auxiliadora Predial, explica que algumas ações podem valorizar o bem, outras dão maior liquidez ao imóvel. “Às vezes, adequar o valor significa ganhar mais a longo prazo, pela redução do tempo em que o imóvel fica desocupado”.
 A boa apresentação da parte física da propriedade eleva o lucro. Em alguns casos, conforme Alexandre, em até 20%. Uma pintura nova, reparos necessários na hidráulica e elétrica, acabamento das esquadrias, entre outros investimentos, fazem a diferença. Um imóvel pequeno, próximo a universidades, por exemplo, pode receber alguns móveis sob medida para receber estudantes de outras cidades. “São ações, que do ponto de vista do negócio, podem valer muito”, diz Alexandre.

A manutenção na propriedade, de tempos em tempos, evita prejuízos. Em outra situação, um cano velho pode ser trocado a fim de eliminar a possibilidade de infiltração, que é de responsabilidade do proprietário, e reduzir gastos indesejáveis durante a locação. “Partindo do pressuposto de que a locação é um negócio em que o inquilino é o cliente e o bem, o produto, toda a estratégia pensada entre ambos para a melhor forma de comercialização é bem-vinda”, explica o especialista.


Um cuidado especial está relacionado à vistoria. Uma ficha de avaliação feita no momento em que o proprietário disponibiliza o bem para locação na imobiliária deve ser a mais completa possível. Afinal, o que está nela é o que o dono receberá de volta no final do contrato. Cada detalhe deve ser anotado, observando o estado de conservação e as condições de uso de cada item.

Fonte: R7

Deixe seu comentário