A demanda imobiliária mais potente dos últimos anos

No mês de outubro, o Brasil igualou o mesmo número de famílias do mês de março de 2020, com um detalhe importante: não é o mesmo grupo de pessoas. São novas famílias que atravessaram o período mais agudo da pandemia e se adaptaram as ferramentas digitais, mantendo ou ganhando mais renda. Somos da espécie Homo sapiens, basta nos dá uma limitação que resolvemos tudo com muita inteligência, foi o que acabou de acontecer e está acontecendo com o Brasil e o mundo, se temos que cumprir isolamento social, por que precisamos parar de faturar? Podemos fazer as duas coisas, sem problemas, usando as ferramentas digitais e sem por em risco a nós mesmo e outras pessoas. imobiliária

A intenção de compras para os próximos 12 meses de outubro com reflexos práticos em novembro está tecnicamente empatada com o primeiro trimestre de 2020, quando não havia pandemia. Isso demonstra o vigor do mercado imobiliário brasileiro. imobiliária

Os novos compradores estão acelerados, o montante de compradores dos próximos 12 meses agora é literalmente o maior patamar desde 2011, indicando mais velocidade de vendas para as negociações. E um detalhe importante: o mercado imobiliário urge por novos lançamentos para tamanha demanda de 7,0 milhões de compradores imediatos.

É de notável interesse uma observação que preciso destacar para vocês: apesar de a intenção de compras para 12 meses de 2011 ser de 57%, ela é menor em quantidade de compradores do que a demanda atual.

Mas como isso!?

Explico: Em 2011, a população de 2011 era de 197,5 milhões de habitantes, e atualmente, segundo estimativas do IBGE, nossa população está em 212 milhões, ou seja, 56% da população atual, é numericamente maior do que 57% da população de 2011.

Dessa forma, podemos afirmar com segurança e orgulho: ESTE É O MAIOR NÚMERO DE DEMANDA POR IMÓVEIS DESDE 2011!

Quanto mais controle da pandemia, maior a intenção de compras, no cenário dos juros mais baixos da história, do maior volume de saldo na poupança desde 1995, e das pessoas mais insatisfeitas com seus imóveis após ficarem 6 meses literalmente dentro de casa.

Vamos agora a uma leitura mais objetiva do Datastore Series mais recente:

A nível Brasil, todas as regiões apresentaram mais um pouco de crescimento nas intenções de compras de 12 e 24 meses. imobiliária

A Região Sul segue liderando o mapa de demanda do Brasil, com a intenção de compras para 24 meses em 25,75 (aumento de 0,63% em relação ao mês anterior);

O gigante Sudeste tem aumento de mais 1% na intenção de compras para 24meses, saindo de 24% para 25%;

A Região Centro-Oeste é a região que mais apresenta aumento nas intenções de compra, subindo 1,61%, saindo de 23,64% e chegando a 25,25%, sendo a segunda região com maior intenção de compras para os próximos 24 meses;

A Região Nordeste subiu 0,71% nas intenções de compras para os próximos 24 meses, saindo de 23,29% e chegando agora a 24%. imobiliária

A Região Norte foi o segundo maior crescimento nas intenções de compras para os próximos 24 meses, apresentando um aumento de 1,43% , que saiu de 20,07% para atuais 21,50%.

“Dados” começa com “D” de Datastore.

Autor: Marcus Araujo – CEO e Fundador Datastore e autor do best-seller “Meu Imóvel, Meu Mundo.”

Deixe seu comentário