91% dos empresários devem investir no Mercado Imobiliário em 2018

A confiança do mercado imobiliário está voltando. Uma pesquisa realizada pela Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil (ADIT Brasil) revela que 91% dos empresários do setor pretendem voltar a investir ou empreender em 2018. E os municípios do Nordeste estão no radar de 30% deles. No Ceará, a expectativa é que as construtoras voltem a lançar no segundo semestre do ano que vem.

Segundo o estudo, a região Sudeste lidera, respondendo por 40% da área de interesse dos entrevistados. A pesquisa Perspectiva de Mercado, que ouviu 174 associados da Adit Brasil, entre os meses de outubro e novembro, mostra que não são só as capitais que devem receber investimentos.

Municípios com população entre 201 mil e 500 mil habitantes são a preferência de 26% dos entrevistados para prospecção de novos negócios no próximo ano. Em seguida, aparecem cidades com mais de 1 milhão de habitantes (23%) e aquelas entre 501 mil e um 1 milhão de moradores (21%).

Atualmente, a percepção da maioria dos empresários do setor (68%) é que o mercado imobiliário está em uma curva de retomada no Brasil, ainda que de forma lenta. Por outro lado, as projeções para o próximo ano são mais animadoras para o setor. O percentual, por exemplo, de quem acredita que 2018 será de retomada com crescimento elevado é de 29%. Neste ano, a expectativa de crescimento para o setor é de apenas 2%. E a margem daqueles que acreditam que 2017 é de declínio/recessão (9%) cai para apenas 3% no ano seguinte.

Indicadores

“A pesquisa traduz em números um sentimento que a gente já percebe no dia a dia. E isso tem muito a ver com a queda da taxa básica de juros (Selic) e do desemprego”, diz o presidente da Adit Brasil, Felipe Cavalcante.

No Estado, o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE), André Montenegro, também está entre os otimistas. Acredita que, se a Selic ficar em torno de 7% (atualmente a taxa está em 7,5%), apesar de ainda ser um índice considerado alto na opinião dele, o possível recuo já vai repercutir na economia de modo geral e estimular cada vez mais pessoas a tirarem seu dinheiro da aplicação financeira para investir no mercado da construção.

“Esta reta final de ano e o primeiro semestre do ano que vem serão apenas para acelerar as vendas do estoque que já existe, mas, a partir do segundo semestre de 2018, as construtoras vão poder voltar a lançar novos empreendimentos”, afirma.

A pesquisa da Adit Brasil mostra que a decisão de investir está muito mais associada a uma questão de segurança em relação ao cenário macroeconômico do que propriamente uma dificuldade de caixa das empresas.

Fonte: O Povo.

Gostou do artigo? Deixe aqui seu comentário!