Amazon comercializa mini-casas que amplia com o controle remoto

Amazon comercializa mini-casas que amplia com o controle remoto

A casa é mobiliada e tem um preço muito menor em comparação com os valores imobiliários convencionais – mini-casas

A Amazon começou a vender uma mini-casa que pode ser levada para qualquer lugar. A estrutura, que mede 12,7 metros quadrados, pode ser expandida para 26,6 metros quadrados com um simples comando no controle remoto. Construída pela empresa da China, WZH Group, a casa é vendida totalmente mobiliada e pronta para sua mudança: tem um sofá, uma mesa, uma geladeira, uma cadeira, uma cama e um banheiro completo. Os residentes nos EUA podem comprá-la por US$ 36.900, o que equivale hoje, na cotação do dólar americano, R$ 196.990,65.

Amazon comercializa mini-casas que amplia com o controle remoto

Prazo para entrega

A entrega da casa é programada em 30 dias, em média. Porém, não está disponível para compras no Brasil. Temos certeza que, quando tiver disponível, a maioria dos usuários vai querer usar um cupom de desconto Amazon para comprá-la. Ainda mais com esse dólar nas alturas. Talvez a empresa demore mais um pouco para fazer as operações por aqui. Ou então diminua sua margem de lucro para alcançar novos mercados em outros países, como o Brasil, por exemplo.

A mini-casa é estilo contêiner

Quando fechada, a mini-casa se assemelha à um contêiner metálico com acabamento feito em fibra de vidro. Pressionar um botão no controle remoto ativa os mecanismos hidráulicos que amplia a plataforma de acesso. Isto permite estender a casa e, por exemplo, transformar a sala em um grande quarto de dormir. A extensão também torna possível equipar a casa com janelas e portas projetadas de maneira convencional.

Vem com painéis solares

Não somente a casa será maior, mas também haverá painéis solares no telhado que, junto com o gerador eólico, poderão fornecer energia à casa por 32h consecutivas. Assim, a mini-casa não depende de eletricidade da rede de energia da cidade para o funcionamento de seus componentes eletrônicos.

Altos preços de imóveis estimulam esse mercado

Nos Estados Unidos, a Amazon vende vários modelos de mini-moradias. A Allwood Claudia, por exemplo, custa em torno de US$ 9.000 (equivalente a R$ 48.042,00) e inclui somente a estrutura de fora, que é feita de madeira. O modelo construído pela empresa Bantam Built vem com rodas e é ideal para quem gosta de viajar. No entanto, o preço é maior que os outros dois: US$50.000 (cerca de R$ 266.900,00 à taxa de câmbio atual).

O sucesso das mini-moradias está diretamente relacionado com a elevação dos preços dos imóveis nos EUA. De acordo com a agência de classificados online Zillow, o preço médio das casas normais por lá é de US$ 227.700 (R$ 1.215.439,83). No Brasil, uma pesquisa realizada pela Zap Imoveis constatou que o valor médio dos imóveis era de R$ 7.175,00 por metro quadrado. Note-se que o tamanho das casas brasileiras é de cerca de 70 metros quadrados. O resultado da pesquisa foi publicado em fevereiro de 2019.

Movimento Tiny house

A popularidade deste tipo de casa desencadeou um movimento chamado “casa minúscula”, em inglês, “tiny house” que combina economia na aquisição de um imóvel com a busca de um estilo de vida voltado para sustentabilidade. Os imóveis fabricados pelo Grupo WZH, por exemplo, utilizam apenas energia limpa e possui um banheiro químico, o que reduz a poluição ambiental. Embora tenha sido bem sucedida nos Estados Unidos, a tendência no Brasil ainda é bem incerta.

Deixe seu comentário