Propostas de redução da anuidade dos corretores de imóveis está em pauta no Congresso Federal

Deputados votam por derrubar veto de Bolsonaro e, com isso, suspender despejos na pandemia

Algumas iniciativas que visavam a redução das anuidades devidas aos Conselhos regionais de Corretores de imóveis não lograram êxito. A última tentativa foi o PLS nº 250/14 de iniciativa do Sindimóveis/DF e que tramitou no Senado Federal.

Está sendo divulgada na página do Senado uma Ideia legislativa com o mesmo propósito (https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=87024) de iniciativa de um corretor cearense chamado Maia. Ao atingir o apoio de 20.000 cidadãos, a ideia se torna uma sugestão legislativa. Porém, sabem quantos cidadãos, corretores de imóveis ou não, já apoiaram essa ideia legislativa da redução da anuidade dos Crecis até hoje? Apenas 787.

A data limite para atingir 20.000 apoios e a ideia legislativa se tornar  uma sugestão legislativa é 05/12/2017.

Outra iniciativa legislativa visando a redução da anuidade dos corretores de imóveis é o PL nº 4816/16, de autoria do deputado federal do Ceará Cabo Sabino. De acordo com a proposta, as anuidades passariam a respeitar a lei  12.514/11, além de prevê a redução em 50% das anuidades para os corretores iniciantes. A proposta será analisada pelas Comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público, de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

A lei federal 12.514/11,que trata das contribuições devidas aos conselhos profissionais em geral, estabeleceu à época que a anuidade de conselhos profissionais de nível médio fosse R$250,00 para pessoas físicas e R$500,00 para pessoas jurídicas é posterior à 10.795/03, mas não revogou o artigo 16, §1°desta, que estabelece que a anuidade dos Crecis sejam R$285,00 para as pessoas físicas e R$570,00 para as pessoas jurídicas, a partir da sua sanção e corrigidas anualmente pelo INPC.

Se o artigo 16, §1º fosse revogado, a anuidade dos Crecis seria hoje em torno de R$352,00 para os corretores pessoas físicas e R$704,00 para as imobiliárias, pois a variação do INPC durante o período que vai de 28/10/2011, data da sua sanção, a 01/01/2017 foi de 41,19%.

É importante apoiar essa proposta por questão de justiça e isonomia com as outras profissões de nível médio, pois não somos diferentes destes outros profissionais. O apoio da categoria e de seus familiares poderá impulsionar a proposta a ser debatida no Senado e nos enquadrar na Lei 12.514/11, reduzindo o valor das anuidades para corretores e imobiliárias.

Aliás, esse debate enseja um outro anseio dos profissionais da corretagem de imóveis, que é a forma de acesso à profissão através do curso superior e não só pelo curso de técnico em transações imobiliárias. Caso o profissional passe a ingressar na profissão através de curso superior, ou declare ser possuidor de curso superior no seu registro de corretor de imóveis, de acordo com a lei 12.541/11, isso elevaria os valores das anuidades deste tipo de profissional, que passariam a ser em torno de R$706,00 para os corretores de imóveis e de R$1.412,00 para as imobiliárias, gerando assim um equilíbrio das contas dos Crecis e do Cofeci.

Por: Alexandre Barbosa Maciel

Deixe seu comentário