Muito cacique pra pouco índio: Corretor de imóveis sua empresa é assim?

Costumo dizer que em empresa que tem muita gente “mandando”, sobra pouca gente pra “obedecer”, ou seja, se o corretor de imóveis tem inúmeras pessoas solicitando que ele faça alguma coisa, teremos dois problemas: Ou ele não vai fazer o que foi solicitado, ou haverá um problema de comunicação e informações desencontradas.

É isso que acontece nas empresas. O supervisor de vendas orienta o corretor de imóveis a visitar o cliente X e manter o foco no produto A. O gerente passa pelo mesmo corretor e diz para ele focar o produto B e estar em contato com o cliente Y. Aí o diretor envia e-mail informando que neste mês, o produto C precisa ser o mais vendido pela empresa. Complicado, não é mesmo?

E aí surge a dúvida: “Quem devo atender? Devo dar atenção para o gerente e contrariar o supervisor ou inverter a prioridade e desagradar o outro. É muita gente dando ordens e não sei como agir”. Acredito que esta situação seja comum na empresa em que trabalha ou provavelmente você já viu isso por aí em algum outro segmento.

E qual o caminho que o corretor de imóveis deve seguir?

O importante é que a força de vendas tenha uma hierarquia bem- definida e que fique bem claro o caminho que uma informação deverá percorrer do topo até a base, ou seja, para que a informação chegue ao vendedor, deve ser comunicada ao gerente que falará com o supervisor e esse passará a informação para o vendedor.

Para a informação que precisa chegar da base até o topo da hierarquia, o procedimento deverá ser semelhante, ou seja, o corretor comunica algo que deverá ser passado para o supervisor e somente este levará a conhecimento do gerente que fará chegar à diretoria.

Dessa maneira, conseguiremos eliminar os problemas no desencontro de informações e definir quem deve passar as orientações para o corretor de imóveis. Eu fico por aqui e espero que esse texto possa resolver estas questões e direcionar a força de vendas para o objetivo que é satisfazer os clientes e vender muito mais!

Gostou do artigo? Deixe aqui seu comentário!