Corretor de Imóveis, o futuro chegou!

O futuro chegou.

A prova disso são as constantes inovações e tecnologias que têm surgido, impactando nossas vidas e alterando nossos costumes organizacionais e culturais.

Hoje a tecnologia está presente em praticamente tudo, em nosso trabalho, na escola, em casa, na rua e etc, e praticamente faz parte de nosso cotidiano, é tão comum que muitas vezes nem percebemos.

Há poucos anos atrás, por exemplo, quem imaginaria que através de um celular poderíamos ter o controle de praticamente tudo? Aliás, o próprio celular que servia pura e simplesmente para “telefone” já era grande tecnologia, inicialmente acessível a poucos.

Quem imaginaria que por conta desta tecnologia, muitos postos de trabalho seriam substituídos por máquinas, ou simplesmente se tornariam desnecessários porque muitos softwares conseguem compilar, guardar, converter, produzir, enviar e etc, enfim, trabalhar informações de maneira infinitamente mais ágeis que o ser humano?

Quem imaginaria que a informação teria a rapidez que tem hoje?

Pois é, se alguém imaginou ou não, hoje ela é real, e tem avançado mais rápido que nossa percepção.

Mas questão é: o que nós profissionais do mercado imobiliário fizemos e fazemos a respeito de tantas mudanças tecnológicas que alteraram, indiscutivelmente, o perfil e os costumes das pessoas, dos consumidores, compradores e vendedores?

Muitos corretores e imobiliárias insistem em métodos e estratégias que hoje em dia já não trazem resultados. Talvez, muitas destas estratégias deram certo durante muitos anos, mas atualmente já não funcionam tão bem, é necessário mudar, aprimorar, pois se nada fizerem, provavelmente ficarão para trás.

Conheço alguns corretores, inclusive bons corretores, conhecedores do mercado, que ainda possuem muita dificuldade com e-mails, celulares, sistemas e etc e que inacreditavelmente NÃO querem aprender, pois acham desnecessário. O dia a dia deles na função está ficando cada vez mais complexo, pois sempre dependem de alguém para executar tarefas rotineiras que dependem de computador, como captação, recepção e envio de fotos, pegar uma autorização de venda, encaminhar ou responder e-mails, consultas no sistema, entre outros.

Eles ainda estão acostumados com os antigos fichários, quando tudo era feito de maneira manual… Fichário este da mesma época das fitas K7, VHS, ficha telefônica, páginas amarelas, Discman, que talvez compraram em alguma loja que ficava ao lado do antigo Mappin, ou Mesbla…

É por esse motivo que muitos novos corretores tiram o CRECI, mal iniciam na carreira e já vendem muito mais do que aqueles que, mesmo com toda experiência, tem velhos pensamentos.

Algumas imobiliárias, por exemplo, acreditam que a “tradição” sem novos investimentos vai trazer retorno, e tem por estratégia abrir a portas e “esperar o cliente chegar”.

Muitos discutem também a eficácia de anúncios em jornais, pois com a extensão da internet, novos métodos de anúncios têm gerado melhores resultados.

Ainda existem assuntos mais complexos e que ultimamente estão sendo amplamente discutidos na internet, como por exemplo, a verdadeira eficácia do famoso e muito utilizado em lançamentos “Plantão de Vendas”.

Teríamos aqui uma lista extensa de exemplos para ilustrar estratégias e costumes utilizados por corretores e imobiliárias, mas meu objetivo com esta postagem não é dizer o que acho certo ou errado, o que funciona ou não funciona. Meu objetivo é fazer com que você, colega corretor, possa perceber que juntamente com as mudanças globais, nosso mercado também sofreu, sofre e sofrerá mudanças constantes.

É por isso que constantemente temos que nos preparar e analisar nossos procedimentos e costumes, bem como fazer uma análise muito criteriosa sobre nossas estratégias de trabalho e mercado.

Anúncios em jornal, plantões de vendas, oferta ativa, anúncios na internet, “abrir a porta e esperar”… talvez todos estes não funcionem em determinada praça, mas pode ser a mais viável em outra. Não existe certo ou errado, existe o que funciona e o que não funciona. E mesmo o que funciona, talvez no próximo mês, trimestre, semestre ou ano, pode deixar de ser a estratégia ideal, por isso nossa análise deve ser constante.

A reflexão, seguida de novas atitudes pode gerar a você novos resultados.

Não fique parado esperando o cliente chegar, pois o mercado não para, seus concorrentes também não!

Utilize a tecnologia a seu favor, saia da caixinha, reveja conceitos e arrisque novos métodos, o mercado imobiliário precisa de profissionais que estão prontos para “o que der e vier!”

Bons negócios!!!

Deixe seu comentário