Sinduscon-sp apresenta o Balanço do Mercado da Construção Civil em 2020.

A Sinduscon-sp apresentou ontem o balanço do mercado da construção civil em 2020.

Os números apresentados refletem a alta do mercado da construção civil e imobiliário neste período de pandemia. Sinduscon-sp

O índice da atividade do mercado da construção civil já se aproxima dos 100 pontos o que é considerado moderadamente otimista. Imaginar que 2020 o mercado literalmente parou e iniciou novamente estar próximo aos 100 pontos é gratificante.

Os empregos em carteira refletem exatamente esta dinâmica do mercado, estava em crescimento no começo do ano, caiu no segundo trimestre e retornando ao crescimento no inicio do terceiro trimestre.

As vendas de cimento não refletiram a queda do mercado em 2020, como uma grande parte do cimento do segundo trimestre já estava comprada, os números só refletem o crescimento das vendas no terceiro trimestre.

O indicador de ambiente de negócios foi o mais impactado neste período de pandemia, ele vinha em uma crescente no fim de 2019, caiu abaixo dos 70 pontos no segundo trimestre de 2020 e retomou um alto crescimento no terceiro trimestre de 2020 se aproximando dos 90 pontos.

A preparação dos terrenos atingiu uma alta de 14 pontos o que reflete a velocidade de lançamentos no último trimestre, onde as construtoras e incorporadoras aproveitaram o crescimento das vendas para captar novos clientes para lançamentos que inicialmente estavam previstos para 2021. Sinduscon-sp

O mercado ainda tem muitas incertezas para 2021, apesar de estar caindo o gráfico de incertezas ainda está em mais de 140 pontos, bem acima dos períodos recentes de crises politicas como no Impeachment da Dilma, por exemplo.

A previsão de PIB para 2021 na Construção Civil está em 3,8%.

Os números refletem o que o mercado já esperava, uma alta no último trimestre de 2020, preparando os motores para uma alta continua em 2021, se o governo manter os ajustes financeiros que alavancaram o mercado neste final de 2020.

O mercado espera uma alta dos insumos para a construção civil, que pode impactar diretamente nos preços ofertados ao consumidor.

Essa alta de preços esperada versus a demanda crescente de investimentos no mercado é a grande dificuldade que existirá em 2021 no mercado.

Será que a alta de preços vai afetar o ritmo de assinatura dos lançamentos? O mercado de usados vai continuar em alta ou existe uma previsão de falta de imóveis usados? Como o preço dos insumos vai afetar as reformas nestes imóveis usados, será impactante no preço? Sinduscon-sp

As dúvidas, vão permanecer até o final do primeiro trimestre de 2021 onde analisaremos novamente os números do mercado.

Fonte: Sincuscon-sp

Rodolfo Daniels

Consultor Imobiliário e CEO da Pensar Estratégia

Deixe seu comentário