3 dicas de matemática financeira para corretores de imóveis

0
9766

Qualquer pessoa que trabalhe no mercado imobiliário e deseje ganhar destaque precisa unir diversas qualidades, pois esse é um setor complexo e altamente competitivo. Porém, a matemática financeira para corretores é um dos itens que mais causa dificuldades e transtornos para quem atua no ramo.

Lidar com números não é fácil para muita gente, mas não dá para ter sucesso na área sem boas noções de alguns conceitos primordiais para as negociações. Quer descobrir quais são eles? Então confira atentamente o conteúdo a seguir:

O que é matemática financeira?

Primeiramente, é preciso compreender bem o que é matemática financeira. Ela consiste numa séria de cálculos e conceitos que são aplicados às análises das finanças de um modo geral. Normalmente, sua utilização se dá em situações relacionadas ao dinheiro e suas perdas ou ganhos com o passar do tempo (juros, inflação, deflação, etc.).

Justamente por isso que a matemática financeira para corretores é tão importante no setor de imóveis. Ela ajuda a avaliar projetos, perceber a viabilidade de financiamentos, descobrir oportunidades ocultas, prever riscos, analisar empréstimos para crédito e considerar investimentos.

A matemática financeira para corretores é essencial?

Como dissemos, a matemática financeira para corretores ajuda esses profissionais na avaliação de diversas situações que podem se apresentar usualmente no mercado imobiliário e é primordial que eles mantenham seus conhecimentos atualizados. O próprio CRECI traz questões sobre o tema em suas provas e exames.

Ela também ajuda a orientar clientes durante as transações, pois a maioria das pessoas comuns não domina muito bem esse conceito e ele é extremamente importante para lidar com compradores mais cautelosos, nos momentos de crise ou em situações de menor liquidez no setor.

Conhecimentos básicos de matemática financeira

1. Manuseio da calculadora

Pode parecer uma dica banal, mas o fato é que muitas pessoas só sabem usar a calculadora para operações básicas. Corretores, no entanto, precisam se aprofundar em diversas funções e aprender a usar a memória, calcular juros compostos e alguns outros cálculos financeiros mais requintados.

Os modelos mais completos, definitivamente, não são fáceis em um primeiro momento. Na maioria das vezes, fazer um curso sobre o equipamento é fundamental. O lado bom é que alguns deles podem ser realizados na modalidade à distância, por meio da internet.

2. Cálculo das taxas de juros

As taxas de juros são inerentes a diversas modalidades de negociação do mercado imobiliário, como financiamentos, parcelamentos e consórcios. Por isso, compreender esse item é indispensável para um corretor de sucesso, pois isso ajudará a oferecer informações rápidas e precisas para os clientes.

Uma utilização essencial, por exemplo, ocorre em situações onde o profissional precisa comparar as alíquotas de um financiamento com outras taxas, como o valor do aluguel ou o percentual de valorização de uma propriedade.

3. Compreensão do conceito de amortização

A amortização é a redução de uma dívida por meio de pagamentos parciais ou graduais periodicamente, que são realizados de acordo com um planejamento preestabelecido. Isso é extremamente comum em financiamentos e consórcios, mas muitos corretores não compreendem perfeitamente o seu conceito.

O profissional que tiver domínio sobre o tema pode esclarecer muito melhor as dúvidas dos seus clientes e trazer muito mais segurança em uma eventual negociação. Certamente, isso poderá se tornar um fator de motivação para aquelas pessoas que estão na dúvida se vale a pena concretizar a compra de um imóvel.

Fonte: inGaia

Gostou do artigo? Deixe aqui seu comentário!